22/07/2024

Brasil Argentina Portal de Integração

Ordem Progresso União e Liberdade

‘Superlua azul’: Professor de astronomia explica fenômenos que poderão ser vistos juntos no céu nesta quarta-feira

4 minutos de lectura
Professor e coordenador do Observatório de Astronomia da Universidade Estadual Paulista (Unesp) de Bauru (SP), Rodolfo Langhi, explicou que evento é a junção de dois fenômenos: a lua azul e a superlua. O termo Lua azul é devido ao fato não muito comum de ter duas luas cheias no mesmo mês Divulgação/Observatório Heller & Jung Quem olhar para o céu na noite desta quarta-feira (30) estará diante de um raro fenômeno astronômico: a superlua azul. O professor e coordenador do Observatório de Astronomia da Universidade Estadual Paulista (Unesp) de Bauru, no interior de São Paulo, Rodolfo Langhi, explicou que o evento da natureza é a junção de dois fenômenos – a lua azul e a superlua. De acordo com o especialista, a lua azul é quando há uma segunda lua cheia dentro do mesmo mês. Enquanto a superlua, é quando o satélite está mais próximo da Terra – o que a deixa mais brilhante aos olhos dos observadores. Superlua: ocorre quando a Lua está cheia e em seu ponto mais perto da Terra na órbita ao redor do nosso planeta. Esse período é chamado de perigeu, quando o satélite aparece no céu cerca de 14% maior e 30% mais brilhante do que no apogeu (Microlua) – quando está mais distante. Lua Azul: apelido dado à segunda lua cheia que acontece em um mesmo mês. Por ser apenas uma referência ao calendário, não tem de fato uma relação com alguma alteração de cor ou aparência do satélite. O professor ressaltou que o fenômeno já é visível para os observadores desde a última sexta-feira (25), mas o auge da superlua azul ocorrerá nesta quarta e quinta-feira (31). O especialista explicou que, apesar do nome, a lua não necessariamente fica azul. “Gases e partículas ajudam a lua ter uma coloração diferente, mas ela não fica azul. A superlua azul consiste em uma segunda lua cheia que acontece durante o perigeu, que é o termo usado para aproximação [da lua com a terra]. A lua só leva esse nome por conta de uma expressão da língua inglesa 'once in blue moon...' que indica ser algo muito raro. Uma vez foi usada numa revista de astronomia e a expressão se popularizou”, reforça. Nestas datas, a lua estará maior e mais brilhante, pois estará no perigeu, ponto da órbita de máxima aproximação da Terra, a uma distância de 357.344 quilômetros do planeta. Em média, a distância entre a Terra e a Lua é de cerca de 384.400 quilômetros. Segundo os astrônomos, ela estará 7% maior devido à sua proximidade com a Terra e 15% mais brilhante, pois reflete mais luz solar para o nosso planeta, se comparada a uma lua cheia comum. ‘Superlua azul’ 'Superlua de esturjão' Reprodução/EPTV A primeira superlua deste mês ocorreu no dia 1º de agosto, a chamada "Superlua de Esturjão". Mas a lua estará ainda mais próxima na noite desta quarta-feira (30) - a cerca de 357.344 quilômetros de distância. Por ser a segunda lua cheia no mesmo mês, ela leva o nome de lua azul. A última vez que duas superluas completas apareceram no céu no mesmo mês foi em 2018. Isso não acontecerá novamente até 2037. No horário de Brasília, o fenômeno vai acontecer às 22h35, e será visível em todo o planeta desde que o tempo esteja aberto. Observação O Observatório Didático de Astronomia “Lionel José Andriatto” da Unesp Bauru abrirá suas portas gratuitamente ao público na noite desta quarta-feira para mostrar a “Superlua Azul”. Os visitantes poderão observar o fenômeno através dos telescópios do local. Além disso, uma palestra, ministrada por Mariella Patti, educadora veterana do Observatório e divulgadora científica, irá explicar as condições para o fenômeno com o satélite natural. Além da palestra, os pequenos terão a oportunidade de realizarem oficinas infantis com as professoras pedagogas da equipe do Observatório. Também haverá visitação programada ao controle do radar meteorológico do IPMet, quando as pessoas poderão conhecer o interior do funcionamento do equipamento. Não há necessidade de agendamento antecipado e a visita é gratuita. O Observatório Didático de Astronomia fica na estrada Municipal José Sandrin, s/n - Chácara Bauruense. Observatório de Astronomia em Bauru (SP) Observatório de Astronomia da Unesp em Bauru/Divulgação Veja mais notícias da região no g1 Bauru e Marília VÍDEOS: assista às reportagens da região

Professor e coordenador do Observatório de Astronomia da Universidade Estadual Paulista (Unesp) de Bauru (SP), Rodolfo Langhi, explicou que evento é a junção de dois fenômenos: a lua azul e a superlua. O termo Lua azul é devido ao fato não muito comum de ter duas luas cheias no mesmo mês

Divulgação/Observatório Heller & Jung

Quem olhar para o céu na noite desta quarta-feira (30) estará diante de um raro fenômeno astronômico: a superlua azul. O professor e coordenador do Observatório de Astronomia da Universidade Estadual Paulista (Unesp) de Bauru, no interior de São Paulo, Rodolfo Langhi, explicou que o evento da natureza é a junção de dois fenômenos – a lua azul e a superlua.
De acordo com o especialista, a lua azul é quando há uma segunda lua cheia dentro do mesmo mês. Enquanto a superlua, é quando o satélite está mais próximo da Terra – o que a deixa mais brilhante aos olhos dos observadores.

Superlua: ocorre quando a Lua está cheia e em seu ponto mais perto da Terra na órbita ao redor do nosso planeta. Esse período é chamado de perigeu, quando o satélite aparece no céu cerca de 14% maior e 30% mais brilhante do que no apogeu (Microlua) – quando está mais distante.
Lua Azul: apelido dado à segunda lua cheia que acontece em um mesmo mês. Por ser apenas uma referência ao calendário, não tem de fato uma relação com alguma alteração de cor ou aparência do satélite.

O professor ressaltou que o fenômeno já é visível para os observadores desde a última sexta-feira (25), mas o auge da superlua azul ocorrerá nesta quarta e quinta-feira (31). O especialista explicou que, apesar do nome, a lua não necessariamente fica azul.
“Gases e partículas ajudam a lua ter uma coloração diferente, mas ela não fica azul. A superlua azul consiste em uma segunda lua cheia que acontece durante o perigeu, que é o termo usado para aproximação [da lua com a terra]. A lua só leva esse nome por conta de uma expressão da língua inglesa ‘once in blue moon…’ que indica ser algo muito raro. Uma vez foi usada numa revista de astronomia e a expressão se popularizou”, reforça.
Nestas datas, a lua estará maior e mais brilhante, pois estará no perigeu, ponto da órbita de máxima aproximação da Terra, a uma distância de 357.344 quilômetros do planeta. Em média, a distância entre a Terra e a Lua é de cerca de 384.400 quilômetros. Segundo os astrônomos, ela estará 7% maior devido à sua proximidade com a Terra e 15% mais brilhante, pois reflete mais luz solar para o nosso planeta, se comparada a uma lua cheia comum.

A primeira superlua deste mês ocorreu no dia 1º de agosto, a chamada «Superlua de Esturjão». Mas a lua estará ainda mais próxima na noite desta quarta-feira (30) – a cerca de 357.344 quilômetros de distância. Por ser a segunda lua cheia no mesmo mês, ela leva o nome de lua azul.
A última vez que duas superluas completas apareceram no céu no mesmo mês foi em 2018. Isso não acontecerá novamente até 2037.
No horário de Brasília, o fenômeno vai acontecer às 22h35, e será visível em todo o planeta desde que o tempo esteja aberto.
Observação
O Observatório Didático de Astronomia “Lionel José Andriatto” da Unesp Bauru abrirá suas portas gratuitamente ao público na noite desta quarta-feira para mostrar a “Superlua Azul”.

Os visitantes poderão observar o fenômeno através dos telescópios do local. Além disso, uma palestra, ministrada por Mariella Patti, educadora veterana do Observatório e divulgadora científica, irá explicar as condições para o fenômeno com o satélite natural.
Além da palestra, os pequenos terão a oportunidade de realizarem oficinas infantis com as professoras pedagogas da equipe do Observatório. Também haverá visitação programada ao controle do radar meteorológico do IPMet, quando as pessoas poderão conhecer o interior do funcionamento do equipamento. Não há necessidade de agendamento antecipado e a visita é gratuita.
O Observatório Didático de Astronomia fica na estrada Municipal José Sandrin, s/n – Chácara Bauruense.
Observatório de Astronomia em Bauru (SP)
Observatório de Astronomia da Unesp em Bauru/Divulgação

Fuentes BR