29/05/2024

Brasil Argentina Portal de Integração

Ordem Progresso União e Liberdade

‘Replicator’: iniciativa do Pentágono para combater a China com sistemas autônomos produzidos em massa

6 minutos de lectura
Por Peter Layton Os militares dos Estados Unidos planejam começar a usar milhares de sistemas... O post ‘Replicator’: iniciativa do Pentágono para combater a China com sistemas autônomos produzidos em massa apareceu primeiro em Poder Aéreo – Aviação, Forças Aéreas, Indústria Aeroespacial e de Defesa.

Por Peter Layton

Os militares dos Estados Unidos planejam começar a usar milhares de sistemas de armas autônomos nos próximos dois anos, numa tentativa de contrariar o poder crescente da China, anunciou a vice-secretária de Defesa dos EUA, Kathleen Hicks, num discurso no dia 28 de agosto.

A chamada iniciativa Replicator visa trabalhar com empresas de defesa e outras empresas de tecnologia para produzir grandes volumes de sistemas acessíveis para todos os ramos das forças armadas.

Os sistemas militares capazes de vários graus de operação independente tornaram-se cada vez mais comuns ao longo da última década. Mas a escala e o âmbito do anúncio dos EUA deixam claro que o futuro do conflito mudou: a era dos robôs de guerra está sobre nós.

Na última década, houve um desenvolvimento considerável de sistemas robóticos avançados para fins militares. Muitas delas basearam-se na modificação da tecnologia comercial, que por sua vez se tornou mais capaz, mais barata e mais amplamente disponível.

Mais recentemente, o foco mudou para experimentar a melhor forma de utilizá-los em combate. A guerra da Rússia na Ucrânia demonstrou que a tecnologia está pronta para implantação no mundo real.

Munições vagantes, uma forma de veículo aéreo robótico, têm sido amplamente utilizadas para localizar e atacar veículos blindados e artilharia. Os drones de ataque naval ucranianos paralisaram a frota russa do Mar Negro, forçando os seus navios de guerra tripulados a permanecer no porto.

Os robôs militares são uma ideia cuja hora chegou.

Robôs em todos os lugares
No seu discurso, Hicks falou de uma necessidade urgente de mudar a forma como as guerras são travadas. Ela declarou, num discurso um tanto hermético do Pentágono, que o novo programa Replicator iria colocar em campo sistemas autônomos atritáveis em campo em escala de vários milhares, em vários domínios, nos próximos 18 a 24 meses.

Decodificando isso, “autônomo” significa um robô que pode realizar missões militares complexas sem intervenção humana.

“Atritável” significa que o robô é barato o suficiente para ser colocado em risco e perdido se a missão for de alta prioridade. Esse robô não foi projetado para ser descartável, mas seria razoavelmente acessível para que muitos pudessem ser comprados e as perdas em combate substituídas.

Finalmente, “múltiplos domínios” significa robôs em terra, no mar, no ar e no espaço. Resumindo, robôs em todos os lugares para todos os tipos de tarefas.

Para os militares dos EUA, a Rússia é uma “ameaça aguda”, mas a China é o “desafio páreo” contra o qual se podem comparar as suas capacidades militares.

O Exército de Libertação Popular da China é visto como tendo uma vantagem significativa em termos de “massa”: tem mais pessoas, mais tanques, mais navios, mais mísseis e assim por diante. Os EUA podem ter equipamentos de melhor qualidade, mas a China ganha em quantidade.

Ao construir rapidamente milhares de “sistemas autônomos atritáveis”, o programa Replicator dará agora aos EUA os números considerados necessários para vencer futuras grandes guerras.

A guerra futura imaginada que mais preocupa é uma hipotética batalha por Taiwan, que alguns postulam que poderá começar em breve. Recentes jogos de guerra de mesa sugeriram que grandes enxames de robôs poderiam ser o elemento decisivo para os EUA derrotarem qualquer grande invasão chinesa.

No entanto, o Replicator também olha para o futuro e pretende institucionalizar a produção em massa de robôs a longo prazo. Hicks argumenta:

Devemos garantir que a liderança [da China] acorde todos os dias, considere os riscos de agressão e conclua: “hoje não é o dia” – e não apenas hoje, mas todos os dias, entre agora e 2027, agora e 2035, agora e 2049 , e além.

Um admirável mundo novo?
Boeing Australia Loyal Wingman – MQ-28 Ghostbat
Uma grande preocupação sobre os sistemas autônomos é se a sua utilização pode estar em conformidade com as leis dos conflitos armados.

Os otimistas argumentam que os robôs podem ser cuidadosamente programados para seguir regras e, no calor e na confusão do combate, podem até obedecer melhor do que os humanos.

Os pessimistas contra-atacam observando que nem todas as situações podem ser previstas e que os robôs podem interpretar mal e atacar quando não deveriam. Eles têm razão.

Entre os sistemas militares autônomos anteriores, o canhão de defesa de ponto Phalanx e o míssil terra-ar Patriot tiveram um desempenho ruim.

Usado apenas uma vez em combate, durante a primeira Guerra do Golfo em 1991, o Phalanx disparou contra uma nuvem de chaff em vez de contra-atacar o míssil antinavio de ataque. O Patriot, mais moderno, provou ser eficaz no abate de mísseis balísticos de ataque, mas também abateu duas vezes aeronaves amigas durante a segunda Guerra do Golfo, em 2003, matando as suas tripulações.

O projeto inteligente pode superar esses problemas em futuros sistemas autônomos. No entanto, Hicks prometeu uma “abordagem responsável e ética à IA e aos sistemas autônomos” no seu discurso – o que sugere que qualquer sistema capaz de matar alvos ainda precisará de autorização formal de um ser humano para o fazer.

Os EUA podem ser a primeira nação a possuir um grande número de sistemas autônomos, mas outros países estarão logo atrás. A China é uma candidata óbvia, com grande força tanto na inteligência artificial como na produção de drones de combate.

No entanto, como grande parte da tecnologia por trás dos drones militares autônomos foi desenvolvida para fins civis, está amplamente disponível e é relativamente barata. Os sistemas militares autônomos não são apenas para as grandes potências, mas também poderão em breve ser implementados por muitas potências médias e pequenas.

A Líbia e Israel, entre outros, teriam utilizado armas autônomas, e os drones fabricados na Turquia revelaram-se importantes na guerra da Ucrânia.

A Austrália é outro país profundamente interessado nas possibilidades de armas autônomas. A Força de Defesa Australiana está hoje construindo o veículo aéreo a jato autônomo MQ-28 Ghostbat, veículos blindados mecanizados robóticos, caminhões logísticos robóticos e submarinos robóticos, e já está utilizando o veleiro robô Bluebottle para vigilância das fronteiras marítimas no Mar de Timor.

E num movimento que prenunciou a iniciativa Replicator, o governo australiano apelou no mês passado às empresas locais para sugerirem como poderiam construir um grande número de drones aéreos militares no país nos próximos anos.

Pelo menos uma empresa australiana, a SYPAQ, já está em movimento, enviando vários dos seus drones baratos, com corpo de cartão, para reforçar as defesas da Ucrânia.

Peter Layton é pesquisador visitante, Griffith Asia Institute, Griffith University

Este artigo foi republicado de The Conversation sob uma licença Creative Commons. Leia o artigo original.

FONTE: Asia Times

O post ‘Replicator’: iniciativa do Pentágono para combater a China com sistemas autônomos produzidos em massa apareceu primeiro em Poder Aéreo – Aviação, Forças Aéreas, Indústria Aeroespacial e de Defesa.
militar