16/04/2024

Brasil Argentina Portal de Integração

Ordem Progresso União e Liberdade

Munições de urânio empobrecido: o que são e que riscos representam?

4 minutos de lectura
Os EUA afirmam que começarão a entregar as controversas armas à Ucrânia em breve; A... O post Munições de urânio empobrecido: o que são e que riscos representam? apareceu primeiro em Forças Terrestres - Exércitos, Indústria de Defesa e Segurança, Geopolítica e Geoestratégia.

Os EUA afirmam que começarão a entregar as controversas armas à Ucrânia em breve; A Rússia denunciou a decisão como ‘um indicador de desumanidade’
Os EUA anunciaram que vão enviar munições antitanque de urânio empobrecido para a Ucrânia, seguindo o exemplo da Grã-Bretanha no envio das controversas munições para ajudar Kiev a avançar através das linhas russas na sua cansativa contraofensiva.

As munições de 120 mm serão usados para armar os 31 tanques M1A1 Abrams que os EUA planejam entregar à Ucrânia nos próximos meses.

As munições perfurantes foram desenvolvidas pelos EUA durante a Guerra Fria para destruir os tanques soviéticos, incluindo os mesmos tanques T-72 que a Ucrânia enfrenta na sua contraofensiva.

O que é urânio empobrecido?

O urânio empobrecido é um subproduto do processo de criação do urânio mais raro e enriquecido usado em combustível e armas nucleares. Embora muito menos poderoso que o urânio enriquecido e incapaz de gerar uma reação nuclear, o urânio empobrecido é extremamente denso – mais denso que o chumbo – uma qualidade que o torna altamente atrativo como projéctil.

“É tão denso e tem tanto impulso que continua atravessando a blindagem – e aquece tanto que pega fogo”, diz Edward Geist, especialista nuclear e pesquisador de políticas da Rand Non, com sede nos EUA. instituição de pesquisa com fins lucrativos.

Quando disparada, uma munição de urânio empobrecido torna-se “essencialmente um dardo de metal exótico disparado a uma velocidade extraordinariamente alta”, acrescentou Scott Boston, analista sênior de defesa da Rand.

Isto significa que quando atinge a blindagem de um tanque, corta-a num piscar de olhos antes de explodir numa nuvem ardente de poeira e metal, enquanto as temperaturas elevadas explodem o combustível e a munição do tanque.

As munições com urânio empobrecido representam um risco para a saúde?
Embora as munições com urânio empobrecido não sejam consideradas armas nucleares, a sua emissão de baixos níveis de radiação levou o órgão de vigilância nuclear da ONU a apelar à cautela no seu manuseamento e a alertar para os possíveis perigos da exposição.

O manuseio de tais munições “deve ser reduzido ao mínimo e deve ser usado vestuário de proteção (luvas)”, adverte a Agência Internacional de Energia Atômica, acrescentando que “pode ser necessária uma campanha de informação pública para garantir que as pessoas evitem manusear os projéteis”.

“Isso deve fazer parte de qualquer avaliação de risco e tais precauções devem depender do escopo e do número de munições usadas em uma área.”

A AIEA observa que o urânio empobrecido é principalmente um produto químico tóxico, em oposição a um perigo de radiação. As partículas em aerossóis podem ser inaladas ou ingeridas e, embora a maioria seja excretada novamente, algumas podem entrar na corrente sanguínea e causar danos renais.

M829A4 – munição perfuradora de blindagem com urânio empobrecido
“Altas concentrações nos rins podem causar danos e, em casos extremos, insuficiência renal”, afirma a AIEA.

As munições de urânio empobrecido, bem como a blindagem reforçada com urânio empobrecido, foram utilizadas pelos tanques dos EUA na guerra do Golfo de 1991 contra os tanques T-72 do Iraque e novamente na invasão do Iraque em 2003, bem como na Sérvia e no Kosovo.

Uma revisão recente de estudos publicados no BMJ Global Health destacou “possíveis associações” de problemas de saúde a longo prazo entre os iraquianos, ligados à utilização de urânio empobrecido no campo de batalha.

Uma análise da Organização Mundial de Saúde concluiu que “em alguns casos, os níveis de contaminação nos alimentos e nas águas subterrâneas podem aumentar após alguns anos” e devem ser monitorizados, e recomenda que sejam tomadas medidas de limpeza onde “os níveis de contaminação por urânio empobrecido são considerados inaceitáveis por especialistas qualificados”.

Munição M829A4 em corte seccional
Como a Rússia reagiu ao anúncio dos EUA?
A embaixada russa em Washington denunciou a decisão como “um indicador de desumanidade”, acrescentando que “os Estados Unidos estão a iludir-se ao recusarem aceitar o fracasso da chamada contraofensiva dos militares ucranianos”.

Numa publicação nas redes sociais no Telegram, a porta-voz do Ministério dos Negócios Estrangeiros russo, Maria Zakharova, também criticou a decisão dos EUA, escrevendo: “O que é isto: mentira ou estupidez?” Ela alegou que foi observado um aumento no câncer em locais onde foram usadas munições com urânio empobrecido.

Em Março, quando a Grã-Bretanha disse que iria fornecer as munições, o presidente russo, Vladimir Putin, avisou que Moscou “responderia em conformidade”, dado que o Ocidente estava começando a usar armas com o que chamou de “componente nuclear”.

Putin prosseguiu, vários dias depois, dizendo que a Rússia responderia estacionando armas nucleares táticas na vizinha Bielorrússia. Putin e o presidente bielorrusso disseram em julho que a Rússia já havia enviado algumas das armas.

FONTE: The Guardian

O post Munições de urânio empobrecido: o que são e que riscos representam? apareceu primeiro em Forças Terrestres – Exércitos, Indústria de Defesa e Segurança, Geopolítica e Geoestratégia.
militar