16/06/2024

Brasil Argentina Portal de Integração

Ordem Progresso União e Liberdade

Lula diz que decisão sobre possível prisão de Putin em visita ao Brasil será da Justiça e não do governo

3 minutos de lectura
Questionado se retiraria o Brasil do Tribunal Penal Internacional, presidente disse que irá estudar o acordo. Lula afirmou que torce para que guerra na Ucrânia acabe até o fim de 2024. Lula e Putin durante em encontro em Moscou em 2010 Reuters/Via BBC O presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) voltou a falar sobre uma possível prisão do líder russo Vladimir Putin em caso de visita ao Brasil durante a Cúpula do G20 no Rio de Janeiro, marcada para novembro de 2024. Nesta segunda-feira (11), o petista disse que a decisão caberá à Justiça. Compartilhe no WhatsApp Compartilhe no Telegram A fala de Lula foi feita durante uma coletiva de imprensa em Nova Délhi, na Índia. O presidente viajou até o país para participar da Cúpula do G20, que terminou no domingo (10). Antes do fim do encontro, em entrevista ao canal indiano "Firstpost", Lula disse que convidaria Putin para a Cúpula do G20 no Rio de Janeiro e que o presidente russo não seria preso se viajasse ao Brasil. Já nesta segunda-feira, o presidente brasileiro mudou a versão, afirmando que uma possível prisão de Putin não cabe ao governo, mas à Justiça. "Isso quem decide é a Justiça. Não é o governo nem o parlamento. É a Justiça que vai decidir", afirmou. Putin poderia ser preso no Brasil devido a mandados de prisão que foram emitidos contra ele, por parte do Tribunal Penal Internacional (TPI), por crimes de guerra. O Brasil é signatário do acordo, o que prevê o cumprimento de mandados expedidos pela Corte. Questionado se retiraria o Brasil do TPI, Lula disse que precisa estudar melhor o acordo. O presidente afirmou ainda que países como Rússia e Estados Unidos não participam do tribunal. "Eu não estou dizendo que vou sair de um tribunal. Eu só quero saber... e isso só me apareceu agora. Eu nem sabia da existência desse tribunal", disse. "Eu quero saber qual que é a grandeza que fez o Brasil tomar essa decisão de ser signatário. Só isso que eu quero saber." Lula disse ainda que espera que o conflito na Ucrânia tenha acabado até novembro de 2024, quando acontecerá a Cúpula do G20 no Brasil. Metas ambiciosas e polêmica com Putin: que esperar da cúpula do G20 no Brasil em 2024 G20 e a guerra Durante a cúpula do G20, os líderes que integram o bloco aproveitaram para criticar invasões territoriais e lamentaram o impacto da guerra na Ucrânia. No comunicado final da cúpula, o grupo deixou claro que "o uso ou ameaça de uso de armas nucleares é inadmissível”, fazendo referência à atuação da Rússia no conflito. “Em linha com a Carta das Nações Unidas, todos os Estados devem abster-se da ameaça do uso da força ou de buscar a aquisição territorial contra a integridade territorial e a soberania ou a independência política de qualquer Estado. O uso ou ameaça de uso de armas nucleares é inadmissível”, diz o comunicado. A afirmação foi vista como surpresa, uma vez que havia dúvidas sobre uma manifestação em conjunto do grupo sobre a guerra, já que existem divergências dentro do G20 sobre o conflito na Ucrânia. VÍDEOS: tudo sobre política

Questionado se retiraria o Brasil do Tribunal Penal Internacional, presidente disse que irá estudar o acordo. Lula afirmou que torce para que guerra na Ucrânia acabe até o fim de 2024. Lula e Putin durante em encontro em Moscou em 2010
Reuters/Via BBC
O presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) voltou a falar sobre uma possível prisão do líder russo Vladimir Putin em caso de visita ao Brasil durante a Cúpula do G20 no Rio de Janeiro, marcada para novembro de 2024. Nesta segunda-feira (11), o petista disse que a decisão caberá à Justiça.
Compartilhe no WhatsApp
Compartilhe no Telegram
A fala de Lula foi feita durante uma coletiva de imprensa em Nova Délhi, na Índia. O presidente viajou até o país para participar da Cúpula do G20, que terminou no domingo (10).
Antes do fim do encontro, em entrevista ao canal indiano «Firstpost», Lula disse que convidaria Putin para a Cúpula do G20 no Rio de Janeiro e que o presidente russo não seria preso se viajasse ao Brasil.
Já nesta segunda-feira, o presidente brasileiro mudou a versão, afirmando que uma possível prisão de Putin não cabe ao governo, mas à Justiça.
«Isso quem decide é a Justiça. Não é o governo nem o parlamento. É a Justiça que vai decidir», afirmou.
Putin poderia ser preso no Brasil devido a mandados de prisão que foram emitidos contra ele, por parte do Tribunal Penal Internacional (TPI), por crimes de guerra. O Brasil é signatário do acordo, o que prevê o cumprimento de mandados expedidos pela Corte.
Questionado se retiraria o Brasil do TPI, Lula disse que precisa estudar melhor o acordo. O presidente afirmou ainda que países como Rússia e Estados Unidos não participam do tribunal.
«Eu não estou dizendo que vou sair de um tribunal. Eu só quero saber… e isso só me apareceu agora. Eu nem sabia da existência desse tribunal», disse.
«Eu quero saber qual que é a grandeza que fez o Brasil tomar essa decisão de ser signatário. Só isso que eu quero saber.»
Lula disse ainda que espera que o conflito na Ucrânia tenha acabado até novembro de 2024, quando acontecerá a Cúpula do G20 no Brasil.
Metas ambiciosas e polêmica com Putin: que esperar da cúpula do G20 no Brasil em 2024
G20 e a guerra
Durante a cúpula do G20, os líderes que integram o bloco aproveitaram para criticar invasões territoriais e lamentaram o impacto da guerra na Ucrânia.
No comunicado final da cúpula, o grupo deixou claro que «o uso ou ameaça de uso de armas nucleares é inadmissível”, fazendo referência à atuação da Rússia no conflito.
“Em linha com a Carta das Nações Unidas, todos os Estados devem abster-se da ameaça do uso da força ou de buscar a aquisição territorial contra a integridade territorial e a soberania ou a independência política de qualquer Estado. O uso ou ameaça de uso de armas nucleares é inadmissível”, diz o comunicado.
A afirmação foi vista como surpresa, uma vez que havia dúvidas sobre uma manifestação em conjunto do grupo sobre a guerra, já que existem divergências dentro do G20 sobre o conflito na Ucrânia.
VÍDEOS: tudo sobre políticaFuentes BR