16/07/2024

Brasil Argentina Portal de Integração

Ordem Progresso União e Liberdade

Japão ‘não pode manter’ a segurança com as capacidades atuais: chefe das Forças de Autodefesa

6 minutos de lectura
O general Yoshihide Yoshida discute as lições da guerra na Ucrânia, a aliança dos EUA... O post Japão ‘não pode manter’ a segurança com as capacidades atuais: chefe das Forças de Autodefesa apareceu primeiro em Forças Terrestres - Exércitos, Indústria de Defesa e Segurança, Geopolítica e Geoestratégia.

O general Yoshihide Yoshida discute as lições da guerra na Ucrânia, a aliança dos EUA e muito mais
TÓQUIO – As Forças de Autodefesa do Japão atualmente não conseguem manter a segurança do país face à evolução dos desafios regionais e globais, alertou o general Yoshihide Yoshida, chefe do Estado-Maior Conjunto, numa entrevista à Nikkei Asia.

Yoshida, que se tornou o principal oficial uniformizado do país no início deste ano, destacou a importância de reforçar as capacidades das SDF, inclusive através da coordenação com os parceiros do Japão e o setor privado.

Seguem trechos editados da entrevista.

P: As SDF possuem atualmente capacidade para defender o Japão?

R: Não podemos manter a segurança do Japão com as nossas capacidades atuais. É por isso que foi tomada a decisão de aumentar os gastos com defesa para 2% do produto interno bruto e de fortalecer fundamentalmente as nossas capacidades ao abrigo dos três principais documentos de política de defesa [atualizados no final de 2022].

General Yoshihide Yoshida
P: E quanto ao Japão, o que precisamos proteger?

R: Precisamos proteger o Estado e as três coisas que o definem: o povo, o território e a soberania. O desafio é proteger essas três coisas quando a nossa soberania está ameaçada, como na situação na Ucrânia.

A Estratégia de Segurança Nacional define claramente o interesse nacional do Japão como a paz, a segurança e a maior prosperidade do Japão, e uma ordem internacional baseada em valores universais e no direito internacional. O interesse nacional costumava ser um tema tabu por causa de como ajudou a levar o Japão à [Segunda Guerra Mundial]. Mas estamos começando a ter uma discussão mais aberta sobre isso.

P: Ainda assim, não há apoio e compreensão públicos suficientes para a política de defesa.

R: Quero que o público reconheça o ambiente estratégico que o Japão enfrenta. A comunidade internacional encontra-se num momento crítico sobre a possibilidade de impedir mudanças unilaterais no status quo pela força e manter uma ordem internacional baseada no Estado de direito. O Japão está na linha de frente desta luta no Indo-Pacífico.

A forma como o povo japonês vê as SDF está mudando dramaticamente. A invasão da Ucrânia pela Rússia também traz lições para nós. O interesse na nossa defesa está crescendo, à medida que o público vê em primeira mão as provocações da Coreia do Norte e da China. As pesquisas de opinião mostram que muitas pessoas apoiam um aumento nos gastos com defesa, bem como que o Japão adquira capacidades de contra-ataque.

P: O que podemos aprender com o que está acontecendo na Ucrânia?

R: A Rússia subestimou as capacidades militares da Ucrânia e a resistência que enfrentaria por parte dos ucranianos. O fato de a Ucrânia não fazer parte da NATO também contribuiu. Não podemos descartar a ocorrência de uma crise igualmente grave perto do Japão e estamos fortemente preocupados com esta possibilidade.

Há duas coisas que o Japão deve fazer. Em primeiro lugar, devemos reforçar fundamentalmente as nossas capacidades defensivas para não sermos subestimados. Em segundo lugar, precisamos de fazer o que estiver ao nosso alcance para sustentar uma dissuasão alargada, nomeadamente através de estratégias que envolvam armas nucleares dos EUA.

P: Dados os avanços da Coreia do Norte na sua tecnologia nuclear e de mísseis, a defesa antimísseis por si só não parece ser suficiente para proteger o Japão.

R: O fortalecimento da nossa defesa antimísseis por si só não protegerá as vidas e propriedades do nosso povo. A Coreia do Norte ganhou capacidades avançadas e sofisticadas, incluindo mísseis com trajetórias irregulares que são difíceis de interceptar.

Há três áreas que devemos abordar. Precisamos de adquirir capacidades de contra-ataque para podermos atingir um alvo utilizando mísseis e reforçar a nossa capacidade de interceptar ataques. Também precisamos de mais abrigos subterrâneos para que possamos minimizar os danos causados por um ataque de mísseis e proteger o nosso povo.

P: Alguns críticos dizem que não houve explicação suficiente sobre como o Japão utilizaria a capacidade de contra-ataque.

R: Não tem havido diálogo suficiente com o público. Planejamos fornecer uma explicação completa. Mas também é importante não mostrarmos a nossa mão. Se revelarmos detalhes operacionais ao público, perderemos a capacidade de dissuadir os adversários de atacar.

P: Os EUA defenderiam o Japão numa crise?

R: Temos estado envolvidos num diálogo profundo com os EUA desde 2010 sobre dissuasão alargada – estendendo o guarda-chuva nuclear dos EUA sobre o Japão. No final de Junho, concordamos em partilhar mais informações, melhorar a qualidade dos nossos exercícios conjuntos e reforçar a nossa resposta aos mísseis. Houve também conversas detalhadas entre os nossos ministros dos Negócios Estrangeiros e da Defesa.

P: Durante a Guerra Fria, dizia-se que as SDF precisavam de capacidade para sustentar duas semanas de combates. Agora, diz-se que são necessários três.

R: Abster-me-ei de comentar sobre quanto tempo as SDF conseguem aguentar-se, uma vez que se trata de um detalhe operacional.

A nossa Estratégia de Segurança Nacional visa que o Japão seja capaz de assumir a responsabilidade primária, até ao ano fiscal de 2027, para lidar com invasões.

P: As mudanças na dinâmica global também transformaram a aliança Japão-EUA.

R: Até agora, pudemos contar com a dissuasão dos EUA caso houvesse uma crise. Mas se confiarmos demasiado nos EUA, haverá vozes a questionar se a sua aliança conosco vale o custo. Reforçaremos as capacidades da aliança aumentando as coisas que o Japão pode fazer sozinho.

P: O que o Japão pode fazer sozinho?

R: É importante que as SDF demonstrem as suas capacidades de monitorização e coleta de informações em tempos de paz. Devemos também manter uma vantagem em tecnologia de ponta, como a inteligência artificial e a criptografia quântica.

Expandiremos as parcerias, inclusive com os EUA e a Austrália, bem como com eles e a Índia. Precisamos de trabalhar em estreita colaboração com as forças interessadas em defender o status quo no Indo-Pacífico e na Europa.

P: A cooperação com o setor privado também é crítica.

R: Aceleraremos a pesquisa e o desenvolvimento e a implantação de equipamentos de defesa. Levamos mais de uma década para desenvolver novos equipamentos. Em vez disso, começaremos a introduzir protótipos nas unidades assim que estiverem prontas, para que as capacidades possam ser reforçadas em paralelo com novas pesquisas e desenvolvimento.

P: As empresas japonesas tradicionalmente não destacam o seu envolvimento na indústria de defesa.

R: A indústria de defesa atual não consegue tirar pleno proveito da tecnologia de ponta por si só. Construiremos relacionamentos com startups líderes em suas áreas. Criaremos um quadro que nos permita adaptar a tecnologia civil para a defesa e envolver-nos em esforços público-privados para promover as exportações de defesa.

Trabalharemos também mais estreitamente com o meio acadêmico, que tradicionalmente tem mantido distância dos assuntos militares. Iniciaremos um diálogo direto para promover uma compreensão sobre o atual ambiente de segurança.

P: Um estagiário da SDF Terrestre matou duas pessoas em junho e feriu uma terceira em junho.

R: Dado que nós, como organização, estamos autorizados pelo governo a manusear armas, um incidente como este nunca deveria ter acontecido. Estamos levando isso extremamente a sério.

P: O interesse em aderir às SDF tem diminuído.

R: O recrutamento e a formação são um desafio fundamental. Queremos aumentar a percentagem de mulheres nas nossas forças para 14% até 2050, dos atuais 7% para 8%, aumentando a retenção. Precisamos remodelar a organização com a ajuda da IA, de equipamentos não tripulados e do setor privado.

FONTE: Nikkei Asia

O post Japão ‘não pode manter’ a segurança com as capacidades atuais: chefe das Forças de Autodefesa apareceu primeiro em Forças Terrestres – Exércitos, Indústria de Defesa e Segurança, Geopolítica e Geoestratégia.
militar