22/02/2024

Brasil Argentina Portal de Integração

Ordem Progresso União e Liberdade

Irã testa novo sistema de defesa aérea

7 minutos de lectura
Bavar-373-LR-SAM-3

Por Behnam Ben Taleblu e o major Shane “Axl” Praiswater

A República Islâmica concluiu um maciço exercício de defesa aérea exibindo mísseis superfície-ar (SAMs), lançadores, radares e equipamentos de comando e controle selecionados. Embora analistas e legisladores americanos tenham se concentrado nas capacidades ofensivas de Teerã, o que realmente permite ao regime atacar no exterior com confiança é a percepção da segurança em casa, uma percepção estimulada em parte pela evolução das aptidões de defesa antimísseis.

O exercício recente – com o codinome “Defenders of the Velayat’s Skies-99”, com “Velayat” sendo uma referência ao Líder Supremo do Irã e “99” sendo o ano do calendário iraniano abreviado – faz parte de uma série regular de exercícios conjuntos pelos ramos da defesa aérea do duplo exército do Irã: o Artesh e o Corpo da Guarda Revolucionária Islâmica (IRGC).

Nos últimos anos, Teerã priorizou a prontidão e integração de seus meios de defesa aérea por meio desses exercícios. A letalidade dessas forças estava em plena exibição quando Teerã abateu um drone americano sobre águas internacionais em junho de 2019 e acidentalmente abateu um avião ucraniano em janeiro de 2020.

A decisão de Teerã de continuar com esses exercícios em grande escala enquanto é afetado por duras sanções e o coronavírus não deve ser nenhuma surpresa. Os exercícios militares altamente públicos são um pilar da dissuasão iraniana, pois mostram capacidades que podem sinalizar um alto custo para qualquer agressor.

Embora os mísseis balísticos sejam frequentemente vistos como a principal ferramenta de dissuasão de Teerã, eles são mais especificamente ferramentas de dissuasão por punição, ou seja, armas que podem ser usadas para retaliar ou punir um atacante.

Por outro lado, são os sistemas de defesa aérea do Irã e SAMs que constituem as ferramentas do regime de dissuasão por negação – ou seja, ferramentas que podem (idealmente, para planejadores de segurança iranianos) evitar que um ataque adversário seja realizado com sucesso em primeiro lugar. Como tal, os SAMs do Irã são a primeira linha de defesa interna.

O Irã possui uma ampla gama de sistemas de defesa aérea produzidos internamente e adquiridos no exterior, a maioria dos quais móveis rodoviários, permitindo que o regime circule na proteção de alvos de alto valor em todo o país.

Sistema de defesa aérea Bavar-373

Enquanto todos os olhos estão voltados para Teerã para ver se ele adquirirá o SAM S-400 da Rússia – uma plataforma que as autoridades russas enfatizaram a disposição de vender – os exercícios recentes destacaram um sistema iraniano doméstico que não deve ser esquecido quando se trata de “detecção, rastreamento e destruição de alvos ”, de acordo com um oficial do IRGC. O sistema SAM Bavar-373 é a resposta do Irã para a plataforma S-300 (que também recebeu da Rússia). De acordo com relatos da imprensa iraniana, embora o Bavar tenha sido supostamente testado em 2018, este é o primeiro (e bem-sucedido teste) do sistema SAM como parte de um exercício conjunto Artesh-IRGC de defesa aérea.

Revelado formalmente no ano passado, o nível de interoperabilidade do Bavar, se houver, com seu progenitor russo, permanece desconhecido. No entanto, se puder realmente engajar alvos a até 300 quilômetros, as aeronaves dos EUA operando em bases americanas no Qatar ou no Kuwait estariam imediatamente ao alcance dos mísseis interceptores Sayyad-4 do Irã. Não é de se admirar, então, que a mídia linha-dura do Irã aclama o Bavar como a “Jóia no anel de defesa do Irã.”

Infelizmente, para o Irã, esses sistemas de defesa aérea dificilmente são um problema para a Força Aérea dos Estados Unidos, caso seja necessária a derrubada dos sistemas iranianos. Os sistemas iranianos, mesmo em seus melhores dias, empalidecem em comparação com os ativos russos e chineses que Washington se prepara para derrotar em treinamento e por meio de seus programas de aquisição.

Usando uma barragem de mísseis de cruzeiro, um punhado de bombardeiros de longo alcance acabaria rapidamente com as defesas do Irã. A Síria aprendeu essa lição em 2018, quando dois bombardeiros B-1B lançaram 19 mísseis de cruzeiro JASSM como parte de um ataque de 105 desses mísseis contra a infraestrutura de Assad.

Derrubar as defesas aéreas do Irã, seja por meio de uma operação de supressão ou destruição das defesas aéreas inimigas, exigiria mais armas e surtidas para realizar, mas ainda seria possível. A questão mais urgente em tal cenário seria defender as bases americanas da retaliação de mísseis balísticos iranianos, embora se o Irã fosse capaz de salvar ou reconstituir até mesmo um único sistema Bavar-373, qualquer aeronave na região (incluindo companhias aéreas operadas pelo Ocidente) estaria em risco.

Este último ponto ressalta o perigo de um conflito com o Irã. Embora tecnicamente excluído pelo agora extinto embargo de armas da ONU ao Irã – mas proibido por uma ordem executiva extensa dos EUA a partir de setembro deste ano – o S-400 russo permitiria ao Irã alvejar aeronaves a 400 quilômetros com os mísseis apropriados. Nesse cenário, há pouco o que os Estados Unidos ou seus aliados possam fazer para impedir o Irã de usá-los sem recorrer a uma guerra aérea quase total, semelhante a quando estabeleceu zonas de exclusão aérea sobre o Iraque.

Interromper esses ataques exigiria rastreamento e direcionamento constantes dos sistemas de defesa aérea iranianos e radares conforme eles reaparecem, uma tarefa nada fácil em um país tão grande. Da forma como está, o fato de o Irã ter produzido sua própria versão do S-300 no Bavar-373 implica que eles são capazes, talvez com alguns componentes chineses ou russos, de eventualmente estender o alcance do sistema ou modificar outros sistemas.Aeronaves não tripuladas que tentam realizar vigilância no Irã – que já estão expostas – enfrentarão mais obstáculos à medida que o Irã aumenta sua capacidade de SAM.

Quanto mais confiante o Irã se torna em suas ferramentas de dissuasão por negação, mais perigoso o regime provavelmente se tornará na região. Além disso, Teerã sabe que quanto melhores ficarem suas defesas aéreas, mais improvável que os Estados Unidos ou seus aliados estarão dispostos a arriscar o tráfego aéreo no Golfo Pérsico. Os sistemas S-300 e S-400 são essencialmente um impedimento mais eficaz do que impedir o tráfego marítimo próximo ao Estreito de Ormuz por meio da minagem, como o Irã já havia ameaçado fazer.

Para impedir a modernização e aquisições militares iranianas, será importante aplicar as sanções existentes, especialmente a nova ordem executiva ampla contra as transferências de armas iranianas. Também será imperativo continuar os exercícios conjuntos e a construção da capacidade dos parceiros.

Embora os Estados Unidos e Israel tenham conduzido um treinamento limitado com o F-35, exercícios futuros poderiam funcionar em bombardeiros de longo alcance executando ataques contestados contra alvos iranianos imaginários. Isso enviaria a mensagem de que, se quisessem, os Estados Unidos facilmente encontrariam, travariam, rastreariam e destruiriam as defesas iranianas.

Os bombardeiros podem ser facilmente posicionados em tal exercício para mostrar que estão executando o ataque a distâncias bem fora do alcance do Bavar-373.Aumentar o treinamento com outros parceiros, como os Emirados Árabes Unidos, enviaria uma mensagem ainda mais forte, especialmente se Israel estiver envolvido.

O exercício massivo do Irã, mesmo em meio a uma pandemia devastadora e sanções paralisantes, prova que a República Islâmica leva a sério o desenvolvimento de suas capacidades de dissuasão por negação, com ou sem ajuda estrangeira. Os Estados Unidos e seus aliados devem estar prontos para evitar que o Irã solidifique sua capacidade de desestabilizar ainda mais a região.

*Behnam Ben Taleblu é membro sênior da Fundação para a Defesa das Democracias (FDD), onde contribui para o Programa do Irã e Centro de Poder Político e Militar (CMPP). O major Shane “Axl” Praiswater é um analista militar visitante do CMPP no FDD. As opiniões expressas ou implícitas neste comentário são exclusivamente dos autores e não representam necessariamente as opiniões da Força Aérea dos Estados Unidos, do Departamento de Defesa ou de qualquer outra agência governamental. O FDD é um instituto de pesquisa apartidário com sede em Washington com foco em segurança nacional e política externa.

FONTE: militarytimes.com

Míssil Sayyad-4
Sistema Bavar-373

NOTA DO EDITOR: O projeto do sistema SAM Bavar-373 começou em 2010 depois que a Rússia inicialmente se recusou a entregar o sistema S-300 e a Força de Defesa Aérea do Exército Iraniano decidiu fazer um sistema semelhante usando 10 universidades iranianas e 100 empresas.

O Bavar-373 lança o míssil Sayyad, que é uma evolução de uma cópia do míssil Standard SM-1 dos EUA e está em contínua modernização:

  • SAM Talash 3 – Míssil Sayyad 3 – Alcance 120 km
  • SAM Khordad 15th – Míssil Sayyad 3 – Alcance 120 km
  • SAM Bavar 373 – Míssil Sayyad 4 – Alcance 200 km

Deja una respuesta

Tu dirección de correo electrónico no será publicada. Los campos obligatorios están marcados con *