29/05/2024

Brasil Argentina Portal de Integração

Ordem Progresso União e Liberdade

Governador de Formosa, procura apoio de Alberto Fernández diante de crise politico-institucional

4 minutos de lectura
Luego de las manifestaciones y la represión del último fin de semana, el Gobernador se presentó en Balcarce 50. Esperaba un gesto de apoyo y resolver en privado una salida de la crisis política e institucional pero en Casa Rosada le cerraron las puertas, se le advirtió que debe hace cambios en su Gabinete y se recordó los casos de Ramón Saadi y Carlos Juárez

O governo provincial ordenou o regresso à fase 1 da quarentena após o aparecimento de 17 casos de COVID-19. Centenas de pessoas foram às ruas para protestar contra a decisão da Insfrán e a resposta que receberam foram pás, balas de borracha e gás lacrimogêneo da força de segurança local.

Gildo Insfrán na Casa Rosada (Infobae) Na segunda-feira pela manhã Gildo Insfrán partiu para Buenos Aires em vôo privado, imaginando que seria recebido por Alberto Fernández. Ele sabia da dificuldade de conseguir uma foto institucional após o quarto dia consecutivo de protestos em Formosa, mas queria mostrar que tinha o apoio do presidente.
O governador sempre teve um bom relacionamento com Alberto Fernández. Na Casa Rosada, a ligação entre os dois é articulada pelo Ministro do Interior, Eduardo “Wado” de Pedro. Na maioria dos casos, Insfrán retirou-se do Balcarce 50 (endereço da casa Rosada) com suas reivindicações satisfeitas.
Por esta razão, embora a sua chegada à Capital Federal tenha sido enquadrada na assinatura de um acordo contra a violência de género, liderado pelo Chefe de Estado com as restantes lideranças provinciais, a Formosa abordou o Learjet 60 da empresa Baires Fly SA, espera ser recebido sozinho por Alberto Fernández e depois, como de costume, passar pelo gabinete de Wado de Pedro para coordenar a resolução do conflito.
A pior imagem da crise político-institucional em Formosa foi vista na passada sexta-feira, quando o governo provincial ordenou o regresso à fase 1 da quarentena após o aparecimento de 17 casos de COVID-19. Centenas de pessoas foram às ruas para protestar contra a decisão da Insfrán e a resposta que receberam foram pás, balas de borracha e gás lacrimogêneo da força de segurança local.
Alberto Fernández, junto com o governador Formosano, Gildo Insfrán, em uma cerimônia onde anunciou a assinatura de um convênio para a concessão de verbas para a execução de obras públicas na província (Photo Télam) Quando a repressão começou, Wado de Pedro se comunicou com o governador. Palavras mais, menos palavras, foi revigorado pelo caso do crime atroz de María Soledad Morales em Catamarca que levou à queda da dinastia Saadi, com a renúncia do governador Ramón Saadi e a intervenção da província por ordem do Presidente Carlos Menem. Também mostrou semelhanças com a intervenção de Santiago del Estero em 2004, que pôs fim a outra dinastia: a dos Juárez, donos do poder provincial por meio século. Sob o argumento de “grave deterioração institucional”, Néstor Kirchner enviou ao Congresso o projeto de intervenção na província, que foi apoiado por todo o arco político da época. Apesar de ter sido eleito com quase 70% dos votos, Carlos Juárez e Mercedes “Nina” Aragonés tiveram que deixar o governo de Santiago del Estero. Eles seriam então indiciados por crimes contra a humanidade cometidos durante a ditadura.
Em ambos os casos, o Ministro do Interior citou ao Insfrán dois casos-testemunho de presidentes peronistas que determinaram o fim de dois caudilhos peronistas em meio a graves crises políticas e sociais. Para ser a exceção, Wado jogou uma corda de salvamento para aquele que governa Formosa por mais de 33 anos. “Você tem que se institucionalizar, nós vamos bancar, mas você tem que fazer uma mudança”, teria dito o funcionário de Kirchner, segundo parentes da Casa Rosada.
Jorge González é o funcionário com mais poder dentro do governo Insfrán
(Pablo Riggio /) As manifestações se intensificaram no último fim de semana e o setor mais radicalizado da oposição, liderado por Patricia Bullrich e um punhado de legisladores de Juntos por el Cambio, não só mediou a defesa dos direitos do povo de Formosa como incluídos no movimento oportunista de chegar à província para fazer parte das manifestações. Nesse contexto, o governador tentou demitir seu chefe de governo, Jorge Abel González, um dos ministros mais poderosos de Formosa que também monopoliza simultaneamente as pastas de Justiça, Segurança e Trabalho; e o chefe da polícia provincial, Comissário Walter René Arroyo.
(Infobae) Mas foi o recluso libertado no seu Gabinete que bloqueou a saída do super-ministro que devia ser substituído. A erosão do conflito institucional ocorreu não apenas dentro da casa de governo provincial, mas também na Casa Rosada. Alberto Fernández está chateado, lamenta ter que assumir e pagar o custo político causado por um governador de seu próprio espaço que foi eleito por 70% da população de Formosa e que tem a menor taxa de mortalidade por coronavírus em todo o país.
Publicamente, Alberto Fernández se limitou a expressar sua «preocupação» com a «violência institucional» ocorrida no último fim de semana, e esclareceu que o Governo já havia «manifestado nosso incômodo pela forma como os atos que nem compartilhamos». Mas ontem ele negou a Insfrán uma reunião privada. “Não venha porque não vou recebê-lo”, transmitiu-lhe o presidente por meio de Wado de Pedro. O ministro transmitiu a mensagem a ele, mas também fechou a porta de seu escritório.
Expulso, Insfrán usou seu último recurso. leste

SEGUIR LENDO:

Bolsonaro vs Lula 2022, vote hoje.

VÍDEO: Piloto de provas da Embraer voa o F-39 Gripen

Fuentes ARG,Fuentes ARG