30/05/2024

Brasil Argentina Portal de Integração

Ordem Progresso União e Liberdade

F-35 japoneses fazem primeira visita ao exterior, pousando na Austrália

4 minutos de lectura
Por Colin Clark SYDNEY – O Japão voou com dois caças F-35 e transferiu 55 pessoas para a Austrália para sua primeira incursão estrangeira do país pelos seus Joint Strike Fighters. A equipa da Força Aérea Japonesa chegou à Base de Tindal da RAAF, na costa norte da Austrália, no sábado e ficará até terça-feira, […]

Lockheed Martin Aeronautics Photo by Liz Lutz Job Reference Number: FP161074 Murray WMJ Reference Number: 16-03883 Customer: Allie Murray, Communications Event: AX-1 First Flight, CO-1 Flight Aerials Pilot: Paul Hattendorf Aircraft: F-35, Japan Location: Fort Worth, TX Date: 08-24-2016 Time: 1200-1400

Por Colin Clark

SYDNEY – O Japão voou com dois caças F-35 e transferiu 55 pessoas para a Austrália para sua primeira incursão estrangeira do país pelos seus Joint Strike Fighters.

A equipa da Força Aérea Japonesa chegou à Base de Tindal da RAAF, na costa norte da Austrália, no sábado e ficará até terça-feira, depois de fazer a viagem de 6.400 quilómetros (4.000 milhas) até ao que é conhecido aqui como o “extremo topo” da Austrália. O Japão do pós-guerra nunca se envolveu em operações aéreas expedicionárias antes, exceto com os Estados Unidos. Os pilotos japoneses tradicionalmente operavam de e para o Japão.

“Minha opinião sobre isso é que isso reforça os laços mais estreitos entre a ADF (Força de Defesa Australiana) e as forças de autodefesa japonesas, com a oportunidade de capacidade comum (ou seja, o F-35A) como um meio de fortalecer o relacionamento de cooperação em defesa,” disse Malcolm Davis, especialista em defesa do Australian Strategic Policy Institute, por e-mail. “Essa é a mensagem principal aqui, Tóquio e Camberra têm preocupações comuns, ou seja, ‘China’, e ambos estão trabalhando juntos para treinar e colaborar em estratégias de dissuasão.”

Davis também observou a importância das operações aéreas expedicionárias. “Também ajuda a JASDF a treinar para implantações aéreas expedicionárias, e a RAAF a trabalhar com forças aéreas aliadas estrangeiras usando plataformas comuns, mas também a experimentar como a JASDF pode apoiar o F-35A à sua própria maneira.”

Num comunicado de 14 de agosto, a Força Aérea Japonesa de Autodefesa disse que o contingente japonês seria maior, incluindo quatro F-35As, um KC-767, um C-130 e um C-2, com cerca de 160 pessoas. Não está claro o que mudou entre as declarações à imprensa australiana divulgadas hoje e o comunicado da JASDF.

Num raro comentário público no comunicado de imprensa de hoje, o chefe civil do Departamento de Defesa Australiano classificou a visita japonesa como “um marco significativo na relação entre os nossos dois países e é a primeira atividade a ser realizada no âmbito do Acordo de Acesso Recíproco”.

F-35A Lightning II da Real Força Aérea Australiana (RAAF)Greg Moriarty referia-se a um acordo que só entrou em vigor no dia 12 de agosto. Foi assinado pelos dois governos em janeiro do ano passado, e a chegada dos F-35 foi a sua primeira manifestação. O fato de ambos os países terem avançado tão rapidamente num novo acordo é um indicador do quão empenhados os dois lados estão em estreitar os seus crescentes laços militares e diplomáticos.

Em apenas algumas semanas, a Austrália, disse Moriarty, “retribuirá esta visita com seis F-35As da RAAF sendo enviados ao Japão para o Exercício Bushido Guardian 2023”.

Moriarty e o chefe da Força Aérea Real Australiana, Marechal do Ar Rob Chipman, apontaram a importância do acordo na segurança do Indo-Pacífico. O chefe da Força Aérea foi ainda mais específico: “Desenvolver o nosso entendimento mútuo, especialmente na forma como cada um de nós opera o F-35A, é essencial para a forma como a Austrália e o Japão contribuem para a segurança coletiva do Indo-Pacífico”.

Esta última medida surge na sequência das reuniões de Camp David entre os líderes do Japão, da Coreia do Sul e dos Estados Unidos, que os EUA esperam que resultem no que o presidente Joe Biden chamou de “uma nova era e parceria entre o Japão e a República da Coreia” e os Estados Unidos.” A China criticou o acordo australiano com o Japão, bem como as reuniões de Camp David, dizendo que equivalem à criação de uma OTAN do Pacífico, o que a República Popular diz que seria uma coisa ruim.

Foto: Liz KaszynskiSerá que o Japão e a Coreia do Sul poderão dar mais um passo juntos e ver os F-35 japoneses voarem para a sua antiga colônia?

“Duvido disso, eles acabaram de assinar um acordo de cooperação com os EUA, mas será lento. É um resultado lógico, mas tanto Tóquio como Seul agirão com cautela nesse sentido”, disse Davis, da ASPI. “No entanto, posso ver a Austrália também buscando acelerar o crescimento dos laços com Seul, assim como faz com Tóquio.”

TRADUÇÃO E ADAPTAÇÃO: DAN

FONTE: Breaking Defense

militar