13/04/2024

Brasil Argentina Portal de Integração

Ordem Progresso União e Liberdade

Exército dos EUA dá luz verde para atualização mais agressiva do M1 Abrams

3 minutos de lectura
Por Ashley Roque Washington – O Exército dos EUA buscará uma atualização mais ambiciosa para seu tanque de batalha principal M1 Abrams do que o planejado anteriormente, e poderá ter soldados dentro dele no início de 2030, anunciaram hoje oficiais de serviço. “O tanque Abrams não pode mais aumentar suas capacidades sem adicionar peso, e […]

Por Ashley Roque

Washington – O Exército dos EUA buscará uma atualização mais ambiciosa para seu tanque de batalha principal M1 Abrams do que o planejado anteriormente, e poderá ter soldados dentro dele no início de 2030, anunciaram hoje oficiais de serviço.

“O tanque Abrams não pode mais aumentar suas capacidades sem adicionar peso, e precisamos reduzir sua pegada logística”, disse o major-general Glenn Dean, oficial executivo do programa para sistemas de combate terrestre, em um comunicado à imprensa. “A guerra na Ucrânia destacou uma necessidade crítica de proteções integradas para os soldados, construídas a partir de dentro, em vez de serem acrescentadas.”

“Percebemos que os futuros campos de batalha representam novos desafios para os tanques à medida que estudamos os conflitos recentes e em curso”, escreveu o Brig. General Geoffrey Norman, diretor da Equipe Multifuncional de Veículos de Combate de Próxima Geração. “Devemos otimizar a mobilidade e a capacidade de sobrevivência do Abrams para permitir que o tanque continue a aproximar-se e destruir o inimigo como o principal predador em futuros campos de batalha.”

Carro de combate M1A2 AbramsA General Dynamics Land Systems e o Exército dos EUA têm observado vários caminhos futuros para a atual frota de tanques há vários anos. Os planos existentes previam um Pacote de Aprimoramento do Sistema Abrams versão 4 (SEPv4), mas também foi considerado um novo design geral ou uma atualização mais agressiva. Os líderes do Exército finalmente decidiram encerrar o programa SEPv4, dando ao desenvolvimento anunciado hoje o título de M1E3 Abrams, que incluirá melhorias para sustentar a frota em 2040 e além.

Quanto ao novo caminho a seguir, o serviço explicou que a designação “E” representa uma alteração de engenharia que é “mais significativa do que uma pequena modificação” e servirá como designação para um protótipo. Embora o Exército não tenha detalhado como ocorrerá essa mudança de engenharia, ele observou que planeja pegar os “melhores recursos” do M1A2 SEPv4 e combiná-lo com os mais recentes padrões de arquitetura modular de sistemas abertos. Se for feito com sucesso, permitirá à indústria adicionar rapidamente novas tecnologias ao longo do tempo para “um tanque mais leve e com maior capacidade de sobrevivência”.

Abrams XNo ano passado, a GDLS revelou um demonstrador de tecnologia Abrams X mais leve, de 59 toneladas, para mostrar ao Exército que caminho alternativo está trilhado para o SEPv4. Embora esse demonstrador não seja a versão final do M1E3, ele mostrou opções para um tanque renovado, e provavelmente aquelas que o Exército considerará com o novo design final.

“O Exército está preocupado com a classe de peso do Abrams SEPv3 que carrega de 76 a 78 toneladas de carga de combate”, disse Scott Taylor, diretor da empresa para desenvolvimento de negócios nos EUA, ao Breaking Defense durante uma entrevista em 21 de março. Ele observou que as novas tecnologias para o SEPv4 aumentarão esse peso “um pouco mais”.

“O que os tanques de 76 e 78 ton fazem às forças armadas é desafiar os seus fornecimentos logísticos, a sua capacidade de atravessar pontes em muitos dos países que poderíamos ser chamados a combater e, portanto, especificamente o Abrams X foi concebido para estimular a conversa sobre qual seria a zona do possível para tornar o tanque mais leve, integrar capacidade e tecnologia de acionamento híbrido-elétrico para produzir mobilidade silenciosa e capacidade de vigilância silenciosa, aumentando substancialmente a letalidade dessa plataforma”, disse Taylor.

TRADUÇÃO E ADAPTAÇÃO: DAN

FONTE: Breaking Defense

militar