16/06/2024

Brasil Argentina Portal de Integração

Ordem Progresso União e Liberdade

China pode invadir Taiwan nos próximos seis anos, alerta almirante dos EUA

4 minutos de lectura
Por Helen Davidson A China pode invadir Taiwan nos próximos seis anos, à medida que Pequim acelera seus movimentos para suplantar o poder militar americano na Ásia, alertou um importante comandante dos EUA. O Taiwan democrático e autogovernado vive sob constante ameaça de invasão pela China, cujos líderes veem a ilha como parte de seu […]

Por Helen Davidson

A China pode invadir Taiwan nos próximos seis anos, à medida que Pequim acelera seus movimentos para suplantar o poder militar americano na Ásia, alertou um importante comandante dos EUA.

O Taiwan democrático e autogovernado vive sob constante ameaça de invasão pela China, cujos líderes veem a ilha como parte de seu território e que um dia prometeram retomar.

“Preocupo-me com o fato de que eles [China] estão acelerando suas ambições de suplantar os Estados Unidos e nosso papel de liderança na ordem internacional baseada em regras … até 2050”, disse o principal oficial militar de Washington na Ásia-Pacífico, almirante Philip Scot Davidson, na terça-feira.

“Taiwan é claramente uma de suas ambições, e acho que a ameaça se manifesta durante esta década, de fato, nos próximos seis anos”, disse ele em uma audiência do comitê das forças armadas do Senado dos Estados Unidos.

Davidson disse que a expansão dos recursos militares da China na região pode criar uma situação “desfavorável” para os EUA, reduzindo o nível de dissuasão. “Estamos acumulando riscos que podem encorajar a China a mudar unilateralmente o status quo antes que nossas forças possam dar uma resposta efetiva”, disse ele.

“Não consigo entender algumas das capacidades que eles estão colocando em campo, a menos que … seja uma postura agressiva.”

A República da China (nome formal de Taiwan) foi formada no final de uma guerra civil em 1949, quando o nacionalista Kuomintang fugiu do continente. O Partido Comunista Chinês em Pequim nunca governou Taiwan, mas o considera uma parte da China que irá retomar à força se necessário. A liderança de Taiwan e a crescente maioria de sua população rejeitam a ideia de que faz parte da China, e as tensões através do Estreito têm sido altas desde que Pequim cortou os contatos formais com Taiwan após a eleição de 2016 de seu atual líder, Tsai Ing-wen.

Presidente de TaiwanAs tensões foram aumentadas ainda mais pelo aumento das vendas de armas dos EUA e visitas diplomáticas a Taiwan durante os últimos estágios da presidência de Donald Trump, enquanto ele brigava com a China em questões como comércio e segurança nacional. Em resposta, a China repetidamente ameaçou “contra-medidas” e aumentou sua atividade militar dentro e perto do estreito de Taiwan.

Os analistas diferem em suas previsões de conflito, observando que Pequim também está usando a influência comercial e diplomática para isolar Taiwan. Também há uma preocupação crescente com as táticas de “zona cinzenta” da China, como a dragagem do mar em torno das ilhas disputadas, que não chegam a cruzar a linha de confronto.

“Embora eu não esteja convencido de que Pequim tenha esgotado todas as opções em seu kit de ferramentas a não ser uma invasão total, minha preocupação é que, com a crescente regularidade das incursões no [espaço aéreo] de Taiwan, há um risco maior de um acidente ou erro de cálculo, que poderia obrigar, ou ser usado pela liderança chinesa para justificar, uma nova escalada militar”, disse Jessica Drun, uma bolsista não residente do Projeto 2049, um grupo de estudos com foco na segurança na região da Ásia.

Washington mudou o reconhecimento diplomático de Taiwan para a China em 1979, mas continua sendo o mais importante aliado não oficial e patrocinador militar da ilha. Durante décadas, os EUA mantiveram uma política de dissuasão de ambigüidade estratégica, recusando-se a dizer se viriam em auxílio militar de Taiwan no caso de uma invasão. Em sua aparição na audiência no Senado, Davidson sugeriu que isso deveria ser reavaliado.

O governo Biden não indicou que encerrará essa política, mas ofereceu a Taiwan motivos para otimismo e apoio contínuo. O Departamento de Estado disse em janeiro que o compromisso dos EUA com a ilha era “sólido como uma rocha”, e o embaixador de fato de Taiwan nos EUA foi formalmente convidado para a posse de Biden, um movimento sem precedentes desde 1979.

A China também fez grandes reivindicações territoriais no Mar do Sul da China, rico em recursos, e até ameaça a ilha americana de Guam, disse Davidson.

Bombardeiro chinês H-6K“Guam é um alvo hoje”, alertou, lembrando que os militares chineses divulgaram um vídeo simulando um ataque a uma base insular muito semelhante às instalações dos EUA em Diego Garcia e Guam.

TRADUÇÃO E ADAPTAÇÃO: DAN

FONTE: The Guardian

 

militar,militar