22/02/2024

Brasil Argentina Portal de Integração

Ordem Progresso União e Liberdade

As divergências no Mercosul foram expostas em reunião de chanceleres do bloco

4 minutos de lectura

WASHINGTON.- Os chanceleres do Mercosul reivindicaram o bloco, mas ofereceram uma amostra das diferenças que geraram um pico de tensão entre os sócios durante uma palestra virtual organizada pelo Atlantic Council, think tank de Washington, dias após a cúpula de presidentes em Buenos Aires que servirá para marcar 30 anos de integração regional, hoje questionada e sob escrutínio.

O encontro, denominado «Comércio Internacional e Mercosul no seu 30º aniversário», reuniu o chanceler Felipe Solá virtualmente com os chanceleres brasileiros, Ernesto Araújo; Paraguai, Euclides Acevedo Candia; e o Uruguai, Francisco Bustillo Bonasso, poucos dias após as três décadas de assinatura do Tratado de Assunção, pilar do Mercosul.

Embora houvesse coincidências, as diferenças eram visíveis. Diante dos seus pares, Solá defendeu «avançar com todos», mas o Uruguai voltou a exigir «flexibilidade», o Paraguai disse que o Mercosul deve «crescer para fora» e o Brasil indicou que a política de desenvolvimento não pode «basear-se apenas no apego sentimental».

“Ao longo desses 30 anos houve diferentes ideias e visões sobre o Mercosul, mas a ideia de integração nunca foi abandonada”, comentou Solá em sua apresentação inicial. “Cada etapa trouxe resultados que são a realidade com a qual caminhamos e sobre a qual devemos continuar construindo. O Mercosul deve avançar com todos, respeitando os dissidentes e incorporando-os à visão quando possível ”, defendeu o chefe do Palacio San Martín.

Solá destacou «a vontade de integração» dos países membros do bloco e a necessidade de «fazer com que a voz da região seja ouvida em temas que nos interessam e nos quais somos relevantes», e disse que o objetivo central deve ser a exportação. diversificação para superar a desigualdade e a pobreza.

“Temos que ser capazes de formular nossas próprias opiniões sobre questões emergentes, reforçando nossa identidade de grupo. Isso não significa que tenhamos estratégias idênticas nos quatro países, de forma alguma, mas implica que tentemos torná-las convergentes para melhorar nosso poder de negociação ”, disse o chanceler, sem ignorar as diferenças.

Ao contrário de Solá, Araújo se preocupou em mencionar a Venezuela. Disse que a democracia «não é uma ideologia» e que a luta pela dignidade humana face ao crime organizado também não pode ser «algo ideológico».

“Não podemos ignorar as ameaças à democracia em nossa região, nem podemos substituir políticas econômicas sólidas por slogans que podem parecer bons, mas não ajudam a resolver os problemas reais”, disse o chanceler brasileiro.

Araújo disse ainda que houve um «equívoco de Mercosul» no início de 2000 – ou seja, durante o governo Lula – quando no Brasil era visto como um instrumento para postergar a integração para o resto do mundo.

“Acreditamos que o livre comércio é um pilar do Mercosul. Os quatro países membros sempre buscaram um maior comércio entre si e um maior nível de integração regional e internacional. É o que devíamos ter feito e o que estamos a fazer agora ”, afirmou Araújo, que também reivindicou o acordo com a União Europeia, que considerou“ estratégico ”.

Bustillo Bonasso disse no início de sua apresentação que todos os chanceleres haviam reivindicado adesão ao bloco. Diplomata, concluiu: “Acho que é um bom começo”. Mas poucos minutos depois ele se preocupou em deixar claras as diferenças do Uruguai, que ambiciona negociar acordos fora do Mercosul.

“Acreditamos que a flexibilidade, algo que foi mencionado recentemente, deve ser a regra, não a exceção”, disse o chanceler uruguaio. “Pedimos aos parceiros que estabeleçam modalidades de coordenação e negociação mais flexíveis que levem em consideração a sensibilidade dos parceiros e não impeçam que nenhum deles se beneficie das oportunidades comerciais que surgem”, disse.

O chanceler paraguaio, Acevedo Candia, disse que seu país defende a unidade política e optou pela integração, defendendo uma política de segurança comum. E ele pediu que o bloco crescesse «para fora».

“Para nós é muito importante que o Mercosul cresça não só de dentro, mas também de fora. Não é um dilema diabólico entre o centrípeto e o centrífugo. Acho que temos que crescer internamente para poder crescer melhor externamente «, disse ele.

 

Fuentes ARG, La Nación